Nota da vereadora Maria das Graças Fontes Cavalcante

Nota da vereadora Maria das Graças Fontes Cavalcante

Eu Maria das Graças Fontes Cavalcante, brasileira, casada, inscrita no CPF sob o nº 051.446.694-41 e do RG nº 1.797.614, residente e domiciliada à rua Padre Miguel Nunes, nº 51, Centro, CEP 59.940-000, nesta cidade de Luís Gomes/RN, vem respeitosamente à presença da Vossa Senhoria Solicitar a publicação da nota de repúdio da vereadora Graça Fontes no site da Câmara Municipal de Luís Gomes, que a publicação aconteça no dia 05 de dezembro de 2017.

NOTA DE REPÚDIO

Eu, Maria das Graças Fontes Cavalcante com assento na câmara municipal de Luís Gomes- RN. Venho esclarecer de público um episódio ocorrido na câmara municipal de Luís Gomes, na noite do dia 30 de novembro próximo passado. A senhora Maria Gerusa da Silva, presidente do poder legislativo municipal, publicou na rádio, no whatsapp e no site da câmara, que eu tinha agredido ela com uma tapa na cara, isto não é verdade, ela quer se passar por vítima, enquanto a vítima foi eu. A sessão do dia 30 passado só compareceram 4 vereadores, Maria Gerusa da Silva, presidente, o vereador José Firmino, o vereador José Segundo Nunes e eu, Maria das Graças Fontes Cavalcante. A presidente abriu a sessão como de praxe, não foi feita a leitura do expediente da sessão porque o primeiro secretário não estava presente, ai a senhora presidente passou para o pequeno expediente, nenhum vereador fez uso da palavra, no pequeno expediente a presidente passou Para o grande expediente, ai o vereador José segundo, ocupou a tribuna da casa para fazer suas reivindicações e falou a respeito das coisas erradas que está acontecendo no município, logo que o vereador segundo encerrou seu pronunciamento o dever da senhora presidente era facultar a palavra aos demais vereadores, só que ela tomou ar com o pronunciamento do vereador segundo, deixou a presidência e ocupou a tribuna da casa para defender a prefeita, o que é ridículo, pois a presidente da mesa só pode usar a Tribuna da casa para defender matérias em discussão, que seja proposição apresentada de sua autoria, quem tem dever de defender o prefeito é o líder do prefeito, e não o presidente da mesa, o presidente é eleito para dirigir os trabalhos da sessão e apaziguar alguns desentendimentos dos vereadores no plenário da casa. Quero deixar bem claro através desta nota, que em momento nenhum bati na cara dela, houve apenas um pequeno desentendimento entre eu e a presidente, porque quando ela deixou a tribuna e voltou para a mesa eu pedi a palavra para eu mim pronunciar, pois é um direito meu, só que ela muito alterada devido o pronunciamento do vereador segundo, não permitiu que eu falasse, disse que a sessão estava encerrada, que eu gostava muito era de confusão, ai a sessão foi encerrada e ela saiu muito alterada, daí íamos saindo pelo corredor da câmara e a presidente muito agressiva partiu para cima de mim com uma taça de água na mão e querendo esfregar o dedo no meu nariz, e com palavras de baixo escalão, me chamando de cachorra e bandida com o dedo apontado para o meu nariz e querendo jogar a taça de água na minha cara, ai eu baixei a mão dela, para ela não esfregar o dedo na minha cara, e a pedi para mim respeitar, que eu sou uma senhora casada e dona de casa, não sou cachorra e nem bandida como ela me tratou, quero que fique bem esclarecido que a revolta da senhora presidente era com o vereador segundo, pois ela não quer aceitar que os vereadores da oposição falem mal da administração da prefeita, porém, ela não quis agredir o vereador segundo e partiu para cima de mim, e fica claro que eu não bati na cara dela, ela estar faltando com o princípio da verdade.

Sem mais para o momento

Maria das Graças Fontes Cavalcante.

Certo de que a solicitação será atendida, fique com meus votos de estima e consideração.

Luís Gomes, 05 de dezembro de 2017.